quinta-feira, 11 de maio de 2017

O conceito de fonte histórica e da construção social da beleza na Escola Estadual do Paulista

Os alunos dos 1º anos da Escola Estadual de Paulista vivenciaram no mês de abril do ano de 2017, uma nova experiência dentro do seu âmbito escola. Pois, participaram das aulas realizadas pelo PIBID (Programa Instituição de Bolsas e Iniciação a Docência) de História da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). Aulas pensadas e aplicadas para a problematização do conceito atual do belo e de fontes no curso histórico da produção histórica e da própria vida de cada estudante que ali estava.

Bolsistas Isabela Tristão e Maria Creusa desenvolvendo atividades juntos aos alunos.

Observando o curso atual das problemáticas dentro das escolas brasileiras e em todo mundo, podemos perceber que uma dos assuntos mais discutidos e polêmicos é a beleza. Em sua total complexidade, conseguimos discutir e escutar dos alunos como todo o padrão da moda e de beleza da sociedade contemporânea interfere na vida de cada um dos 7,2 bilhões de pessoas que vivem na terra. As manobras da mídia, os comercias, o preconceito, ou até as doenças que presenciamos a partir das consequências da busca incessante do belo, nos fez pensar e problematizar o que seria a “beleza” em nossa sociedade. Um paralelo histórico e cultural que demonstrou os tipos de beleza que já foram vivenciados e os vários aspectos culturais e sociais que existem no mundo, conseguiram aguçaram o debate com os estudantes para pensarmos no que realmente é a beleza e seu padrão.

Alunos participaram e levantaram discussões pertinentes em sala de aula.

De extrema relevância presenciar a sensibilidade dos alunos aos temas apresentados, fazendo com que, houvesse diversos momentos de debates entres as opiniões dos estudantes acerca do que é a beleza e o que ela representa, além da importância na forma que utilizamos as fontes históricas pra discutir e construir assuntos como esse e tantos outros. O que aconteceu na Escola Estadual de Paulista (EEP) foi vários momentos de introspecção social dos alunos, professores e pibidianos em sala, foi um esclarecimento coletivo das diversas opiniões, formas e conceitos de vida, beleza e história.

Trazer temas atuais para o debate escolar caracterizou o mérito da atividade para com os alunos.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Oficina de Teatro possibilitou o desenvolver de uma poderosa ferramenta pedagógica aos bolsistas

Nesta última terça-feira, dia 09, os bolsistas se reuniram no Centro de Educação para mais uma oficina de formação e potencialização das atividades docentes das escolas contempladas pelo nosso programa. Lembrando que os estudantes estão em contato com a modalidade de oficina desde o início de Fevereiro, a primeira abordou aspectos literários, posteriormente foi possibilitado o conhecimento sobre a utilização dos jogos no processo de ensino, além do mobile-learning e agora com o uso do teatro no ensino de História. A aula foi conduzida pelo professor Júnior Aguiar, o mesmo tem formação jornalística e trabalha com teatro há 23 anos, embora o contato com o campo educacional tenha sido recente, segundo relatou o mesmo. Artista pernambucano, hoje compõe o Coletivo Grão Comum e se encontra engajado na Trilogia Vermelha, espetáculos que estão relacionados a três figuras nordestinas importantes na História – Dom Hélder Câmara, Paulo Freire e Glauber Rocha. Há a intenção por parte do docente em adentrar no Mestrado pela Universidade Federal de Pernambucano ainda esse ano, aonde o mesmo poderá desenvolver a interlocução entre Educação e História.

Estudantes compareceram maciçamente na Oficina de teatro.

A princípio, houve uma apresentação sobre o conceito de teatro, que segundo o mesmo, é um termo de origem grega que designa simultaneamente o conjunto de peças dramáticas para apresentação em público e o edifício onde são apresentadas essas peças. Ou seja, é uma forma de arte na qual um ou vários atores apresentam uma determinada história que desperta na plateia sentimentos variados. Além disso, foi importante também perceber como o teatro agiu intensamente no percorrer da história na formação da cidadania, exemplo disso é o que denomina-se “Paideia” cuja denominação simboliza o sistema de educação e formação ética da Grécia Antiga, aonde a dramatização exerceu forte preponderância. A partir disto, os bolsistas puderam refletir de que modo a encenação poderia alterar a vivência e a realidade educacional das escolas contempladas pelo PIBID/História da UFPE: EREM Martins Júnior, EREM Porto Digital, Escola do Paulista, EREM Trajano de Mendonça e Escola Oswaldo Lima Filho.

Professor Aguiar utilizando do método expositivo-dialogado.

Uma das prerrogativas mais impulsionadas pelo professor Aguiar, é a de que o teatro na escola tem uma importância fundamental na Educação, podendo colaborar para que o jovem tenha a oportunidade de atuar efetivamente no mundo, opinando, criticando e sugerindo e, também permite ajudar o aluno a desenvolver alguns aspectos como a criatividade, coordenação, memorização e vocabulário. A capacidade de teatralidade, de jogo, é algo inerente às crianças desde seus primeiros anos escolares. A escola, como uma instituição formadora do pensamento, precisa está atenta e sensível a esta prerrogativa, para que possa de forma precisa e eficaz, ofertar aos seus alunos a oportunidade de desenvolver suas potencialidades dramáticas, que são fundamentais não só para a expressão artística, mas também na arte de viver. O teatro permite a vivência de experiências sensoriais diversas, onde, a partir dos jogos teatrais e dramáticos, o jogador pode se posicionar em estado de simulação, envolvendo nessa realidade paralela do jogo, suas emoções, conceitos, valores.Tal assertiva baseia-se muito no modelo construtivista que se tem pensando no Centro de Educação e foi de suma importância encaixar as duas discussões. Além disso, Vários estudos apontam o teatro como uma ferramenta muito importante no processo de desenvolvimento humano. Por conta do seu caráter lúdico e a propositura do estado de jogo, torna-se um elo fundamental nos processos de ensino-aprendizagem dos indivíduos. Segundo os PCN's de Teatro:

A dramatização acompanha o desenvolvimento da criança como uma manifestação espontânea, assumindo feições e funções diversas, sem perder jamais o caráter de interação e de promoção de equilíbrio entre ela e o meio ambiente. Essa atividade evolui do jogo espontâneo para o jogo de regras, do individual para o coletivo. (Parâmetros curriculares nacionais: arte/Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental, p.83, 2001).

Segundo a bolsista Mariana Nogueira, atuante na EREM Porto Digital, o teatro na escola é importante na “quebra da tradicionalidade do currículo” que, segundo a mesma, dificulta o processo de ensino-aprendizagem nos dias atuais. Em seguida à exposição do professor, ele encenou apenas um trecho de um espetáculo em produção no qual é vivenciado a trajetória política do educador pernambucano Paulo Freire no período do Regime Militar (1964-1985), a partir disto foi a vez dos bolsistas atuarem visto que foi pedido para que eles encenassem cenas pré-determinadas nas quais pôde-se observar aspectos interessantes como a sensibilidade para com o papel e a explosão em cena.

Bolsistas Felipe Fernandes e Messias Martins atuando na dinâmica proposta pelo professor Aguiar.

Um dos momentos mais impactantes da oficina fora a execução de uma dinâmica que representava o nascimento de um feto em que todos os bolsistas passavam a ser feto e útero na mesma encenação. Além da descontração inerente ao momento, pontuado por risos e fortes dosagens de força física, após a realização do feito os bolsistas puderam relatar suas experiências na atividade proposta e a lição foi inevitável, muitos relataram a dificuldade em ser feto mas, ao mesmo tempo, o prazer em persistir e chegar até o fim do percurso. A partir disto, todos que estiverem presentes no momento puderam trazer à tona, por meio do diálogo, a experiência pessoal na dinâmica que envolveu também a recuperação de memórias afetivas.

Bolsista Lorenna Rocha atuando e os demais assistem à cena.

A oficina foi interativa e bastante afetiva, os bolsistas ficaram muitos satisfeitos com a experiência como relata Rosely Bezerra, estudante do 4° período: “Foi muito gratificante e prazeroso participar de tudo que nos foi proporcionado e superou todas as minhas expectativas, pois com certeza serviu muito para nos estimular como educadores e a interação e conexão com o grupo também foi muito significativa”. Por fim, percebemos que o teatro é uma arte que modela o ser humano, atentando para as necessidades essenciais das relações interpessoais, além da compreensão do mundo e de suas estruturas ideológicas. Torna-se assim ideal que o individuo possa vivenciar os procedimentos iniciatórios ao teatro, desde seus primeiros anos escolares. É nessa fase inicial que começam a acontecer as primeiras relações de amizade e de socialização. Neste ponto podemos acentuar a importância da pratica teatral nos processos de cooperação e de estabelecimento de vínculos afetivos. Nisto baseia-se a importância do teatro quanto jogo e não apenas como resultado artístico, como a montagem de um espetáculo, mas como forma de enxergar o mundo. Importante reiterar o esforço da bolsista Lorenna Rocha que possibilitou o contato com o professor Aguiar, possibilitando a realização da oficina, e a efetividade da coordenadora Profa. Dra. Adriana Maria Paulo da Silva em propor atividades objetivas que potencializam formação da docência de todos os bolsistas envolvidos no programa.

Como sugestão fica o vídeo de divulgação das peças em cartaz encenadas pelo professor Aguiar:

https://www.youtube.com/watch?v=3lyXNVJzC8Q
https://www.youtube.com/watch?v=3b1ziEGilZQ

Demais fotos: 

Profa. Dra. Adriana Maria Paulo da Silva junto aos alunos na realização da oficina.